Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/07/19 às 11h40 - Atualizado em 10/07/19 às 11h40

Seagri realiza ação contra o cancro cítrico

COMPARTILHAR

 

A Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural do Distrito Federal (Seagri/DF), através da Subsecretaria de Defesa Agropecuária (SDA), realizou nesta terça-feira (9), na Feira da Ceilândia, uma ação de fiscalização e conscientização sobre sanidade vegetal. O objetivo foi alertar os comerciantes sobre a incidência de cargas de laranja contaminadas com a bactéria causadora do cancro cítrico.

 

Durante a ação, os técnicos e fiscais da Defesa passaram pelos boxes que vendem laranja e orientaram os comerciantes a não receber produtos com sinais da doença. Foram inspecionadas 21 toneladas de laranja e, deste total, um caminhão com 19 toneladas, sem sinais de cancro cítrico, foi flagrado sem a Permissão de Trânsito Vegetal (PTV), que é um documento obrigatório para o transporte desse tipo de produto. Na ocasião, também foram vistoriadas 49 toneladas de banana, das quais 8 toneladas também estavam sem a PTV.

 

A subsecretária de Defesa Agropecuária da Seagri/DF, Danielle Cristina Kalkmann Araújo, explicou que o Distrito Federal é considerado uma área livre da doença, por isso a importância desse tipo de ação, para evitar que frutos contaminados entrem no DF e causem prejuízos econômicos aos produtores locais. “Nós não temos ocorrência de cancro cítrico aqui. O trânsito de laranjas para o DF é restringido por meio de norma federal, por isso, os locais que possuem a presença da doença não podem enviar o produto para áreas livres, com exceção de áreas que se encontram sob mitigação de risco para o cancro cítrico. Mas, neste último caso, existe uma série de medidas, entre elas, a seleção e desinfecção dos frutos com sintomas, de forma a evitar que laranjas portadoras de sintomas possam espalhar o inóculo”, explicou.

 

“Nós recebemos denúncias da entrada no DF, de algumas cargas de laranja com sintomas de cancro cítrico. Semana passada, os fiscais já tinham se deslocado ao local para averiguá-las, onde constataram que realmente haviam frutos com os sintomas, notificando os transportadores para retornarem a carga para o local de origem. Por causa dessa situação, nós resolvemos fazer uma ação educativa na Feira da Ceilândia, avaliando todos os caminhões que chegavam ao local. Nós cobramos a documentação, olhamos as cargas para verificar se não havia sintomas de cancro cítrico e orientamos os comerciantes a não receberem frutas que apresentem sintomas da doença”, ressaltou a subsecretária Danielle Kalkmann.

 

Ela explicou ainda, que uma das preocupações da Defesa Agropecuária é o fato de o DF ser um corredor de produtos, além de ser um importante consolidador de laranja a granel. “Essa é uma doença muito séria e que pode trazer prejuízos econômicos muito grandes para o DF e, principalmente, para os produtores de citros. É uma doença que ataca os frutos, folhas e ramos, diminuindo o valor de mercado e a produtividade, além de as medidas de controle normalmente envolverem a erradicação das plantas”, afirmou Danielle Kalkmann.

 

Sobre o cancro cítrico

 

Cancro cítrico é uma doença que ataca os citros em geral (laranjas doces, tangerinas, limões e limas ácidas). Causada pela bactéria Xanthomonas axonopodis pv. citri, está presente no Brasil desde 1957. O Distrito Federal é considerado uma área livre da doença. Nenhuma variedade ou espécie de uso comercial para produção de cítricos é completamente resistente à doença. O cancro cítrico pode ser confundido com outras doenças, por isso, sempre que houver suspeita de contaminação, o material deve ser analisado em laboratório credenciado. Fonte: www.citrusbr.com

 

Texto e fotos: Ascom Seagri/DF